Espetáculo Dog Day em temporada no Teatro Carlos Carvalho da CCMQ

Gênero e Suicídio são temas do novo espetáculo da diretora Fernanda Moreno que tem sessões nos finais de semana de 06/05 á 21/05 no Teatro Carlos Carvalho

Vinte e quatro horas de encontros e desencontros em cotidianos solitários. Este é o tema do espetáculo “DOG DAY”, que estréia temporada no dia 6 de maio, no Teatro Carlos Carvalho, na Casa de Cultura Mario Quintana. Com direção de Fernanda Moreno, a montagem aborda temas como o suicídio, gênero, identidade e diferenças sociais de personagens atrelados por um fio de solidão.

Uma peça que celebra a diversidade, defende a vontade de viver, apesar de obstáculos e desencontros. Busca a conscientização dos temas abordados.”, retrata Fernanda, também diretora do espetáculo “Anexo secreto”.

O foco é uma cidade em que 10 personagens ao longo de 24 horas se encontram estabelecendo relações reais ou até mesmo virtuais, trazendo novas perspectivas para o seu caminho, ora multidão ora deserto. Em meio á contemporaneidade, o indivíduo cada vez mais se isola em seu próprio universo, ora tecnológico ora existencial, as relações tornam-se frágeis e superficiais, nos protegemos em nossos próprios medos, trazendo uma inconstante insatisfação cotidiana, na qual nossas angustias e desmotivações tornam-se os nossos legítimos companheiros.

O espetáculo Dog Day, tenta de forma poética retratar a fragmentação do ser humano em um universo multifacetado, em que a coragem de ser a si mesmo é permitida apenas para alguns. Encontramos no relacionamento a distância das personagens Amy e Joe, questões de sexualidade e a barreira de impessoalidade criada pelo apego excessivo ás redes sociais e plataformas assemelhadas. Na personagem Camélia Thompson a questão de gênero e violência é apresentada e refletida com o devido cuidado. No cego Edward Taylor, sua deficiência é abordada como uma diferença e não como uma limitação que o torna inválido. Em Sandy, o materialismo é discutido, em suas cenas de flerte com o Teatro do Absurdo. A cartomante Meggie leva sua vida de forma mecânica movida pela ganância e controle, representando uma falsa ilusão do sucesso. Cooper nos proporciona uma representação do vazio acarretado pelo ódio e intolerância . No relacionamento entre Emma e Thomas, inspirado nas obras Dom Quixote e Madame Bovary, o relacionamento amoroso e sua influência na juventude é trazido à pauta de forma bem humorada proporcionando um alivio cômico. Alma apresenta questões sociais e humaniza os sem tetos, a questão da normalização da miséria fica intrínsecas em suas cenas de humor que cativam o público mais jovem.

No espetáculo não há protagonismo, todas as personagens possuem o mesmo número de cenas, e não por acaso, isto é uma das maneiras que a peça tem de dizer que não há pessoas mais ou menos importantes, somos todos igualmente importantes em nossa sociedade, ou deveríamos ser.

Crédito Reynério Espinoza e Rafael Mog

Em outubro de 2016, a montagem participou do festival Art In Vento, em Osório, sendo indicado em seis categorias e premiado em duas: melhor dramaturgia, para Fernanda Moreno e ator coadjuvante para Giordano Spencer.

Dog Day é resultado de curso de extensão, promovido pelo Instituto de Desenvolvimento Social e Cultural da PUCRS, que desde 2015 oportuniza o fazer teatral no âmbito acadêmico, para estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Em 2016, a ministrante do curso e diretora da peça, apresentou como proposta para seus alunos, a possibilidade de criar um espetáculo autoral, na qual todos tivessem participação ativa em sua concepção, criando assim personagens e dramaturgia desse espetáculo.

Após as sessões dos dias 14 e 20 de maio ocorrerão sessões comentadas com convidados especialistas em alguns temas abordados na peça. São eles:

14/05 – Tema: “Suicídio e deficiência além da ficção”.

Convidados

Marco Aurélio Alves, Professor e Diretor Teatral, graduando em psicologia e atualmente Conselheiro de Estado da Cultura. Também atua no Instituto Brasileiro da Pessoa em projetos com adolescentes, LGBTs, idosos e soropositivos, objetivando a prevenção ao suicídio e o enfrentamento ao preconceito.

Eraldo Fortini, bacharel em turismo e em geografia, atuou como Professor em escolas de ensino médio. Enfrentou a deficiência visual atuando como atleta paraolímpico e vem ministrando palestras e participando de debates objetivando conscientizar gestores públicos sobre as maiores demandas de pessoas vivendo com deficiências.

20/05 – Tema: “Gênero e Identidade além da ficção”.

 Convidados

Plínio Mósca, diretor e professor de teatro Tecnólogo em produção cênica pela faculdade Monteiro Lobato, Mestre em memória social e bens culturais pela universidade unilasalle de canoas.

Natasha Centenaro, jornalista, dramaturga e doutoranda em Teoria Literária.

Fernanda Nascimento, idealizadora do Gemis, (ONG: Gênero, Mídia e sexualidade) e feminista. Jornalista e mestra em Comunicação Social na PUCRS. Autora do livro “Bicha (nem tão) má – LGBTs em telenovelas” (Multifoco, 2015). Atualmente cursa doutorado no Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

FICHA TÉCNICA

Direção: Fernanda Moreno

Assistência de direção: Ismael Goulart

Dramaturgia: Fernanda Moreno e grupo

Elenco: Arthur Loureiro, Camila Salton, Domingos Berwanger, Giordano Spencer, Jacqueline Sabater, Márcia Schuler, Marjorie Lacostt, Nathália Haucke, Rafael Mog e Victoria Guella Rech Lima

Trilha sonora: Ismael Goulart

Iluminação: Bruna Immich

Assessoria de Imprensa: Gustavo Saul

Fotografia: Rafael Mog e Reynerio Espinoza

Produção: o grupo

Realização: Instituto de Desenvolvimento Social e Cultural da PUCRS

 Temporada de 06/05 a 21/05, sábados e domingos, às 20h.

Teatro Carlos Carvalho, Casa de Cultura Mario Quintana (2º Andar, R. dos Andradas, 762 – Centro, Porto Alegre), fone (51) 3221.7147

Ingressos:

Antecipados: no site Entreatos Divulga (http://www.entreatosdivulga.com.br/dogday).

*Ingressos adquiridos no site tem taxa padrão de conveniência.

No local: 25 reais (50% de desconto para estudantes, idosos e classe artística). A bilheteria abre 1 hora antes das apresentações.

Comentários

comments

Related Posts