Espetáculo do Projeto Transit, TREMOR – Sobre como as coisas foram chegar nesse ponto estreia no Palco Giratório

   Uma das novidades mais aguardadas na cena teatral gaúcha, Tremor – Sobre como as coisas foram chegar nesse ponto terá sessões de estréia nos dia 17 e 18 de maio, às 20h, no Teatro do Goethe-Institut, em Porto Alegre. Com direção de Patrícia Fagundes, o espetáculo é a primeira montagem brasileira para o premiado textoBeben (em português, Tremor), da alemã Maria Milisavljevic. As sessões integram a programação do 13. Palco Giratório, festival promovido pelo SESC/RS.

   A Cia. Rústica foi uma das vencedoras do Projeto Transit, do Instituto Goethe de Porto Alegre. O edital prevê a encenação do mesmo texto por outro diretor, Lucca Simas. A ideia é mostrar as diferentes possibilidades de concepção cênica de uma obra da dramaturgia contemporânea alemã. No dia 23 de maio, haverá um debate com a presença de Maria Milisavljevic e dos dois diretores. O evento terá tradução simultânea.

> A MONTAGEM DA CIA. RÚSTICA:

    Século XXI, velocidade e fragmentação, música pop e paisagens caóticas de violência e miséria disfarçadas sob luzes de Neon. Esse será o universo de Tremor – Sobre como as coisas foram chegar nesse ponto. A versão da Cia. Rústica vai celebrar a teatralidade e baseia-se no jogo entre artistas e espectadores. Uma atriz (Priscilla Colombi) e dois atores (Evandro Soldatelli e Lauro Fagundes) vão conduzir a jornada, acompanhados por uma DJ em cena (Vigo Cigolini).  A novidade é que a diretora Patrícia Fagundes também estará no espetáculo – em áudios e sobre o palco.

   A fragmentação presente no texto será refletida no palco no ritmo vertiginoso que alterna diferentes situações, estados, vozes e referências contemporâneas: guerras, notícias, pop, games, redes sociais, Hollywood, carnificinas, filosofia, consumo. A cenografia é composta por elementos móveis que são reorganizados em cena pelos atores, como peças de um jogo, compondo diferentes playgrounds. Criações percussivas em cena, microfones,  coreografias e movimentos de danças urbanas, política, palavra e corporeidade complementam a proposta da montagem.  Nossos modos de percepção diariamente formatados em telas que, cada vez mais, tornam tênues os limites entre o real, o virtual e o ficcional.

    A equipe tem ainda Rodrigo Shalako (cenografia), Marco Rodrigues (coreografias e preparação corporal) e Ander Bellotto (assistência de direção). O jornalista Renato Mendonça, do site Agora – Crítica Teatral, vai acompanhar todo o processo de criação e atuará como crítico interno.

    O público vai se deparar com um turbilhão de incógnitas. Quem somos? Como vamos narrar nosso tempo? Tremor é um espelho dos dias de hoje. O mundo treme e as represas deixarão de aguentar em algum momento.

Ficha-técnica:

Direção: Patrícia Fagundes

Coreografias e orientação corporal: Marco Rodrigues (grupo My House)

Assistência de direção: Ander Belotto

Elenco: Priscilla Colombi, Lauro Fagundes e Evandro Soldatelli com participações especiais de Virginia Cigolini e Patrícia Fagundes.

Operação de som em cena: Virginia Cigolini

Paisagens e seleção musical: equipe

Trilha sonora original: Leonardo Machado

Criações percussivas: Priscilla Colombi

Vozes: Ander Belotto, André Varela, Dale Heinen, Leonardo Machado, Mirna Spritzer e Patrícia Fagundes.

Figurino: equipe

Criação gráfica e assistência de produção: André Varela

Direção de produção: Patrícia Fagundes

Fotografia: Adriana Marchiori

Realização: Cia. Rústica

A autora – Maria Milisavljevic:

   Maria Milisavljevic nasceu em 1982 em Arnsberg, na Alemanha, e cursou estudos culturais e literatura inglesa e história da arte. Trabalhou como diretora em teatros na Alemanha e em Londres, onde finalizou seu Doutorado com uma tese sobre o Royal Court Theatre. Em Toronto, no Canadá, atuou como dramaturgista e diretora no Tarragon Theatre, no qual também passou uma temporada como playwright-in-residence ( 2013/2014). Com Brandung, ganhou o Prêmio Kleist para jovens autores de teatro. Já com a peça Beben (Tremor)  venceu o prêmio para autores do Heidelberger Stückemarkt e o prêmio Else Lasker-Schüler, do Pfalztheater Kaiser. Maria Milisavljevic vive em Berlim.

Foto: Adriana Marchiori

> A diretora – Patrícia Fagundes:

Patricia Fagundes é diretora da Cia. Rústica, produtora, pesquisadora e professora do Departamento de Arte Dramática e na Pós-Graduação em Artes Cênica da UFRGS. Doutora em Ciências do Espetáculo pela Universidade Carlos III, de Madri, e Mestre em Direção Teatral pela Middlesex University, de Londres.  Mantém intensa atividade profissional, dirigindo vários espetáculos, intervenções e eventos, em projetos premiados e reconhecidos por crítica e público, como Fala do Silêncio (Premio Braskem Melhor Espetáculo e Açorianos Melhor Trilha Sonora 2017), Cidade Proibida (Braskem Melhor Espetáculo pelo Júri Popular 2015), Natalício Cavalo (Braskem Melhor Espetáculo 2013), O Fantástico Circo Teatro de um Homem Só (Açorianos Melhor Direção 2011), Sonho de uma Noite de Verão (Açorianos e Braskem Melhor Direção e Melhor Espetáculo 2006), entre outros.

Foto: Adriana Marchiori

A Cia. Rústica:

Criada em 2004, em Porto Alegre, a Cia. Rústica  articula um espaço de trabalho entre artistas plurais, desenvolvendo vários projetos que reúnem montagem, investigação, ação pedagógica e social. O grupo busca uma linguagem contemporânea e popular baseada na cumplicidade entre atores e espectadores, que evoca o lúdico, o corpóreo, o humor e o risco na criação artística.

A companhia já levou aos  palcos espetáculos  apresentados em várias cidades brasileiras. O primeiro projeto da trupe foi a trilogia Em Busca de Shakespeare, composta por A Megera Domada (2008), Sonho de uma Noite de Verão (2006) e Macbeth (2004). O grupo encenou ainda Clube do Fracasso (2010) e Natalício Cavalo (2013) e Fala do Silêncio (2017). O grupo desenvolve ainda um projeto continuado que investiga a cena na rua e a intervenção urbana, composto também Desvios em Trânsito (2010), Cidade Proibida (2013) e Feito Criança (2015).

ESTREIA: 17 e 18/05 – quinta e sexta-feira, às 20h.

TEMPORADA: De 15/06 a  1o./07 – sextas, sábados e domingos, às 20h.

 

Onde: Teatro do Goethe-Institut (Rua 24 de outubro, 112 – Independência, Porto Alegre)

Quanto: R$ 40,00 (50% de desconto para estudantes, idosos e classe artística mediante comprovação)

Ingressos antecipados

 

Classificação etária: 14 anos

Duração: 80 minutos

Comentários

comments

Related Posts