O que é Rock III – O Confronto Final

rock-eduardo-martinez-guitarrista (1)Talvez o roquenrou seja a linguagem de quem ainda não falou o que ainda não foi dito de novo, mas só que para quem não ouviu de alguém igual a quem ouve… Sacou? Então me explica que eu estou meio enRoullado…

É a música que ainda não foi feita? E existe algo que ainda não foi feito em música, Doutores do Rock? É a música que não tem compromisso com nada nem com ninguém? Se aprende na faculdade? “Nas rua?” O rock é um baaaaita negócio, isso sim. Mas você não vai conseguir pesar, medir ou resumir num conceito de wikibullshit. Talvez em dólares, dólares. Rock é o próximo produto na prateleira da Cultura. Caixa completa em Blue Ray telepático áudio induzido cósmico trans mucho loco surround por todos os lados.

  Já que não vou conseguir ser científico, claro ou imparcial (coisa pouco rocker, por sinal) com esse tal de roque, nem vomitar lugares comuns piegas e bregas a respeito do Deus Rock’n’Roll, talvez seja melhorar cometer pela milionésima vez, em coro, com a imprensa sanguessuga e parasita dos “movimentos jovens”, os clichês de sempre dos manuais do Rock:

“Rock é atitude! É rebeldia! É transgredir, é sexo, dogras. É uma banda numa propaganda de refrigerante…”

Meu, quanta verdade e besteira ao mesmo tempo. A minha banda, por exemplo, é uma empresa. Empresa que produz, planeja e executa planos de curto médio e longo prazo e paga muitas contas e impostos. Que trabalha pacas. Representa mais de 30 marcas de empresas gigantes do mercado da música internacional, instrumentos, acessórios, estúdios. A gente já virou o Brasil tocando, e nem por isso somos pop, ou rock. Só sei que não somos cover. Ninguém na minha banda sequer fuma a droga lícita (da qual o governo é sócio direto dos fabricantes/traficantes e cobra IPI para compensar a própria hipocrisia nessas que$tõe$). O cigarro social, a maconha dos tios de todas as idades que viram as propagandas maravilhosas cheias de Rock’n’Roll na TV, vai matar mais viciados (aprovados pela sociedade de consumo) este ano do que qualquer uma das outras drogas ilícitas (das quais o governo é sócio também). A droga que recebeu o selo MORTE no rótulo. Roquenrou paca. A babaquice do rock chega aos clichês de tio decadente da noite, como por exemplo, tudo que é bom é ruim, faz mal, ou?… Tem também aquela profecia romântica fofa que eu já não posso mais cumprir; morra jovem, etc.

Finalizando o capítulo porque estou escrevendo e você lendo eu considero o trabalho com o Hangar um exemplo de vida para qualquer um que queira mais da vida. Muito embora roqueiro de verdade seja milionário e faça megatour mundial, eu não troco minha história e minha estrada pela sua, nem pela de ninguém. Eu sou algo que sempre sonhei. Sou músico. E se Deus quiser (pode ser o deus metal também), nem o melhor, nem o pior, apenas músico. Com ou sem cabelo.

Sabe o que mais? O rock é você que tem que fazer. Eu só entendo de metal, não estou rico, mas sou uma rica pessoa, dou aula de guitarra em um colégio religioso, me formei em música em 2004 na federal e não sou mais cabeludo. Mas as tatuagens, diplomas e filhos são pra sempre meu véio. E também sou palhaço fora do circo de 18 toneladas do Hangar, Dr. Ado A.Z. Dummy. As órdis.

E enquanto os dedos mexerem serei músico e farei música que agrada, que irrita, que não dá pra entender e que todo mundo gosta. Em inglês, português, grego e de preferência sem letra – pra não dizer o que a música fala sozinha para os poucos que sabem ouvir, sem as futilidades visuais do mercado da próxima novidade que ninguém vai lembrar amanhã pra sempre. O museu de grandes novidades do tio Cazuza.

Se o rock errou, ou se o rock é um blues tocado mais rápido, ou se o rock é o contrário do que eu disse antes ele está aí, passado presente e amanhã também reciclado e ãpigreidiado. É a alienação, a revolução, a doença e a cura. O Rock é apenas mais uma moda passageira eterna da novela.

Mas se você quiser pode ser uma metralhadora giratória de mudança, amor e questionamento. Para melhorar o mundo.

E Rock é antes de tudo Música. E Música é vida, é paz e é amor bicho.

rock-eduardo-martinez-guitarrista (3)

É isso gente, estou velho e brega. Então,

It’s just Rock’n’Roll but….

LEMMY IS GOD!

ATENÇÂO: qualquer semelhança entre este texto e algo que deva ser levado a sério não é responsabilidade sua. E muito menos minha.AVISADO. 

Como já dizia o grande roqueiro Vinnie Moore:

Rock on guys!

Tradução: Toca ae tchê!

rock-eduardo-martinez-guitarrista (2)

Comentários

comments

Related Posts