Dicas para entrar bem o ano novo

Mais um ano que se finda, e já estamos pensando no que pedir pulando as sete ondinhas. Em algumas religiões, ainda se tem os papeis de dias de reis, onde se coloca o que se quer e o que não se quer mais para o ano que se inicia.

Regido por Xangô e Iansã, 2018 vem com premissas de renovação. Para nós, humildes e meros brasileiros, é ano de eleições bastante complicadas, então nada mais correto que agradar aos deuses.

 Primeiramente, não esqueça sua roupa de baixo vermelha. E isso vale para homens e mulheres! E se a ideia for a meia noite (das 00 e da 01 horas) passar dentro d’água, nada melhor que um biquini ou sunga vermelha – e para homens que não usam vermelho, por que não uma cueca vermelha por baixo da bermuda? Hora de dar adeus àquela piadinha que rolou ao longo do ano sobre as cuecas vermelhas e colocar em voga a identidade de cor da propaganda das Havaianas! (A roupa íntima vermelha não tem conotação sexual esse ano, mas se preferir pra se convencer, por que não?)

2017 está nos abandonando e ninguém está muito triste com isso (ETA ano difícil, heim? Já foi pior, mas podia ter sido tão menos desgastante…). Então todo mundo quer apostar numa noite para se jogar na pista e arrasar, seja com o branquinho habitué de ano novo, seja com as cores dos orixás (marrom, salmão, coral…).

Parece que só isso que importa, não é mesmo? A roupa, a comida, a bebida, o drink, a mandinga, o orixá, as ondinhas, o que queremos, o que não queremos… Parece que estamos cada vez mais olhando para fora e decidindo o que é certo ou errado num todo, julgando e criticando as pessoas – e suas roupas. Parece que é o ano em que mais se justificou ações, em que mais se ignorou quem se é e quem se quer ser… Inclusive, o ano em que mais se isolou de responsabilidades, pessoais e sociais. Por isso, vá logo, 2017, e que 2018 traga novas justiças e clemência com Xangô e novos ares (e tempestades) com Iansã. Que possamos entender que a roupa não mais se trata de moda, que identidade não é se adequar a um grupo, que amizade não é só andar junto, que amar não é sofrer e que é possível SIM ser feliz sozinho.

Ah, e vote consciente, né? Não saia acreditando em qualquer fake news por aí… Trava mais estudo e verdade pra vida por esse caminho, que é lindo! <3

Feliz ano novo

Equipe O Café 

Comentários

comentarios

Related Posts