As solas vermelhas de Louboutin

 

No início desse mês, a grife Christian Louboutin ganhou um processo judicial contra a Yves Saint Laurent. O motivo? A Louboutin processou a YSL, assim como fez com a Zara e a brasileira Carmen Steffens, por causa da cor das solas dos sapatos. Segundo o designer francês, utilizar o solado vermelho é uma característica de seus produtos desde 1992.

 

Os sapatos de YSL e Louboutin.

Ao contrário do processo contra a YSL, a Zara venceu o seu processo, cabendo inclusive a Louboutin pagar uma indenização à marca espanhola. A empresa brasileira, por sua vez, alegou que utiliza solados vermelhos desde 1996, muito antes da patente de Louboutin.

Apesar da grife francesa ter o registro desde 2008, e da lei de patentes variar de país para país, não faz sentido algum uma empresa registrar uma cor. Imaginem se a Ferrari processasse todas as montadoras que fabricassem carros vermelhos? Cores não são produtos e, portanto, não podem ser patenteadas.

Mas esse caso não é o único curioso em termos de registro. A Harley-Davidson, por exemplo, tem como marca registrada o ronco característico de suas motocicletas. E, apesar de não ser possível patentear um som, o modo característico como ele é produzido, devido ao virabrequim ter apenas um moente de biela para os dois pistões, pode. E assim uma Harley é inconfundível, mesmo que não seja vista.

O som característico da Harley é uma de suas marcas registradas.

Outro caso emblemático foi o registro, no Japão, em 2003, da palavra “açaí”, pela empresa K.K. Eyela Corporation. Assim, sempre que alguma empresa brasileira queria exportar açaí para o Japão, era barrada pela lei de patentes local. Essa aberração foi corrigida em 2007, quando o Japan Patent Office, após insistente trabalho da embaixada brasileira, cancelou o registro.

No Japão, registro do nome açaí prejudicou exportadores brasileiros.

É importante que empresas protejam suas criações e características. Porém, com a crescente ameaça dos produtos chineses, que não respeitam patente nenhuma, o melhor jeito de se proteger é estar à frente da concorrência, trabalhando continuamente para melhorar seus produtos, e deixando os concorrentes sempre uma geração atrás.

 

Comentários

comments

Related Posts